domingo, 30 de junho de 2013

2 aninhos!



O meu blogue completa hoje o seu segundo aniversário, por isso parabéns a nós, lol!

sábado, 29 de junho de 2013

Opinião da Vera Neves


A Vera Neves, administradora do blogue "Sinfonia dos Livros", já leu o "Perdidos", pelo que lhe agradeço. Aqui está a sua opinião sobre o livro.



«Este era um livro, sobre o qual eu tinha imensa curiosidade. Por ser de uma autora portuguesa, o que por si só já tem muito valor, e por abordar um tema diferente dos actuais. Nem tudo gira à volta de vampiros e lobisomens, apesar de gostar do tema.
A história baseia-se numa jovem residente em Alcácer do Sal,chamada Marina, que, até uma certa altura tem como foco central, ser uma boa aluna, ir o mais longe possível, como ela diz na sua apresentação à turma, quando se inicia o ano lectivo. Tem uma melhor amiga e uma inimiga. (Na escola, quem não tem inimigos?). 
Marina vê-se envolvida em vários acidentes mortais e de todas a vezes a sua vida é salva miraculosamente. Só ela sabe quem a salvou. Lucas é um novo aluno, ao que parece repetente. Mas com mau feitio e arrogante. Marina, aos poucos vai conseguindo quebrar a parede que ele moldou à sua volta e descobre que ele é um Perdido e contra tudo e contra todos apaixona-se por ele e ele por ela. No final, será o amor deles que os salvará.

A história está muito bem pensada e o facto de a autora aproveitar todos os locais mais conhecidos da sua terra, abona bastante em favor do decorrer da trama. Permite também aos leitores, conhecer mais um cantinho de Portugal.

Alguns pontos que não funcionaram comigo, neste livro:

Ponto 1 - Acho que para uma rapariga que nunca se tinha apaixonado, e que era da maneira que era, responsável e com os pés assentes na terra, ela deixa-se levar muito rapidamente pelo "não-encanto" de Lucas.Tudo bem que ele é o típico "bad-boy" pelo qual todas as raparigas se sentem atraídas, no entanto, acho que deveria ter sido ela a dar-lhe luta e não o contrário. Lembrou-me demasiado a Bella Swan da Saga Twilight que mal pôs a vista em cima do Edward passou-se da cabeça.

Ponto 2 - Tal como disse acima, acho que todo o relacionamento deles evoluí depressa demais. Tipo, num dia ele nem olha para ela e no outro já estão abraçados e tal. E, também, a maneira como Ana, a melhor amiga dela a trata, é um pouco fora do normal. Nenhuma melhor amiga trata a outra de "bebé"... talvez trate por "linda", "querida", "mana"... 

Ponto 3 - Acho que a relação entre ela e Joshua é um pouco idílica e ao mesmo tempo estranha. Ela gosta de Lucas, mas ao mesmo tempo tem comportamentos algo duvidosos com o amigo, o qual ela sabe que está apaixonado por ela. A cena dos dois a tomarem banho juntos na banheira dele, foi um pouco puxada demais... ninguém hoje em dia faz isso. Não é que não tenha gostado da cena, mas acho que foi uma cena forçada demais para dois jovens atraentes. Na vida real ela teria sentido muito mais estando com as costas encostadas a ele. (Desculpa essa parte Rute).

Ponto 4 - Acho que a relação entre Marina e a mãe é um pouco fraca. Tirando as partes em que aconteceram os acidentes com a filha, e as idas da mãe à escola, acho que a mãe é uma pessoa tão distante como o próprio pai de Marina. 


Pontos que favorecem a história:

Ponto 1 - A história. Muito bem pensada. Utilizar um Ser obscuro como um demónio e ainda por cima Perdido, foi genial.

Ponto 2 - Os locais onde se passa tudo. Tem de se dar mais valor aos lugares lindos que existem em Portugal. E o sitio onde Marina vive, parece-me ser um sítio mesmo catita. A autora ter utilizado a sua própria terra, tendo por isso conhecimentos mais profundos do sítio, faz com que os leitores tenham vontade de lá ir e percorrer os mesmos caminhos que as personagens do livro percorreram. Pelo menos a mim despertou essa vontade.

Ponto 3 - A escrita, embora um pouco detalhada demais, é uma escrita leve e fácil de ler. Levei mais tempo do que o normal para ler esse livro por causa do tamanho da letra, que é um pouco pequeno demais, ou mais pequeno do que o habitual.

Ponto 4 - Ter introduzido informações sobre outros livros do tema, como a Saga Hush Hush, a Saga Twilight. Sendo sagas que praticamente toda a gente já leu e na sua maioria apreciaram, leva a que os leitores tenham mais curiosidade para ver se as coisas correm como nesses livros.

Ponto 5 - A simplicidade das palavras e a maneira como Marina lida com tudo o que lhe está a acontecer na vida dela e que lhe vira a cabeça do avesso. Apesar disso, não deixa de lutar pela pessoa que ama e se preciso for, morrerá por esse amor.

Com certeza, outros leitores poderão não ter reparado nesses pontos que referi, mas tenho de admitir que são mais os pontos positivos do que os negativos. Até metade do livro, admito que me custou um pouco a ler, não desenvolvia e quando desenvolvia parecia que era desenquadrado. Mas no final, não descansei enquanto não acabei. 


Parabéns Rute! Aguardo com ansiedade pelo 2º volume da Saga "Perdidos" ».

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Citação| Excerto "Perdidos"



Página 59
Sem que nada o fizesse prever, ele atirou a mochila para o passeio e desatou a correr à chuva, saltando em todas as poças lamacentas que encontrava. Uma delas libertou toda a água em cima das pernas de Marina, que ficou retesada no mesmo lugar. O rapaz girava sobre si mesmo, de olhos fechados e braços abertos, recebendo as gotas na cara. A intempérie resolveu dar-lhe uma pequena ajuda na sua intenção de ficar encharcado e aumentou exponencialmente o nível de precipitação. Parecia uma cena de um filme: ele tinha a roupa colada ao corpo de tão ensopada, o que não o preocupava sequer, pois parecia feliz e perdido numa dimensão à parte.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Curiosidades Perdidos | Lost Ones Curiosities: Marina


A Marina tem esse nome, numa espécie de homenagem a uma antiga colega de escola que me deu uma ajudinha quando precisei – achei que era uma boa forma de retribuir o favor. Quanto ao facto da personagem ser a típica “marrona”, essa característica herdou de mim. Há quem diga que a Marina e algumas das suas atitudes não são credíveis, mas o que posso dizer? Eu, naquela idade, era assim e tinha um comportamento semelhante, por isso, não sei que dizer a quem faz essa crítica… Relativamente ao porquê de a ter feito tão devotada à escola, precisava que ela fosse atinada e tivesse uma vida monótona que pudesse virar de pernas para o ar com um simples evento. E assim aconteceu.


Marina has that name, in a sort of homage to a former classmate who gave me a hand when I needed it - I thought it was a good way to return the favor. As to the character being the typical "geek", she inherited it from me. Some say Marina and some of her attitudes are not credible, but what can I say? At that age, I was like that and had a similar behavior, so I don’t know what to say to those who point that out... With regard to why she’s so devoted to school, I wanted her to be well behaved and to have a boring life that could flip upside down with a simple event. And so it happened.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Opinião da Ana Calvo

A Ana Calvo, que estudou comigo na ESE, leu o meu "Perdidos". Pedi-lhe que passasse a sua opinião para o Goodreads e ela gentilmente acedeu à minha solicitação. Sendo assim, aqui está o que ela achou do livro:


« 4 de 5 estrelas
Terminei agora mesmo de ler o Perdidos da Rute Canhoto.
Dentro do género fantástico/young adult ainda só tinha lido a saga twilight, e não conheço também o livro que é algumas vezes mencionado (Hush Hush, da Becca Fitzpatrick), e não sou por isso influenciada pelo tanto que já existe no mercado.
Uma das coisas boas, e que para mim foi uma lufada de ar fresco, é o facto dos seres sobrenaturais serem diferentes do que está na moda. Gostei também da dicotomia céu/inferno que está e estará sempre actual.
Mas o que mais gostei foram, sem dúvida, as personagens. Adorei a protagonista, Marina, que apesar do que já li nas restantes críticas, não me parece que seja assim tão inconsistente. Temos de ter em conta que de um momento para o outro a sua vida virou-se de cabeça para baixo, com tantos acidentes, a sua vida em constante perigo, quem é que se lembraria da escola? Mesmo assim acho que era uma pessoa muito metódica, e que tentou levar a sua vida o mais normalmente possível. Lucas e Joshua cumpriram o seu papel de adversários, mas gostaria de ter visto ainda mais disputa entre eles. Penso que isso poderia ser explorado no segundo livro, bem como papel de Ana em toda a questão do sobrenatural. É a melhor amiga de Marina, e soube das suspeitas da mesma desde o inicio, acho que merece um papel de mais destaque.
Penso também que o segundo livro deveria levantar um pouco mais sobre a vida terrena de Lucas, apesar do mesmo não se lembrar de nada.
A descrição pormenorizada dos espaços de Alcácer enriqueceu a estória. É uma cidade portuguesa que merece. Espero por mais detalhes, e um pouco de história também!
Gostei dos diálogos dos adolescentes. São adequados e perfeitamente passíveis de serem ouvidos por jovens no nosso dia-a-dia.
Existem alguns erros, que parecem ser distracção, e que parecem ter falhado na revisão, mas que são facilmente corrigidos numa próxima edição.
No geral recomendo, e penso ser uma boa estória dentro do género, que me deixou ansiosa por saber mais. Estou expectante para ver como a Rute irá dar a volta aos personagens na continuação desta trilogia.»



segunda-feira, 24 de junho de 2013

Opinião| Review: “Brinsingr”, Christopher Paolini


Título: Brinsingr
Autora: Christopher Paolini
Edição/reimpressão: 2008
Páginas: 813
Editor: Gailivro
ISBN: 9789895575589


SINOPSE
Na sequência da batalha colossal nas Planícies Flamejantes contra os guerreiros do Império, Eragon e o seu Dragão, Saphira, escapam com dificuldade. No entanto, o Cavaleiro e o Dragão ainda terão de se deparar com inúmeros desafios… Eragon vê-se enredado numa série de promessas que poderá não conseguir cumprir. O juramento ao seu primo, Roran, no sentido de o ajudar a resgatar a sua amada Katrina das garras de Galbatorix. Todavia, Eragon deve lealdade a outros também. Os Varden precisam desesperadamente dos seus talentos e da sua força, tal como os Elfos e os Anões. E, logo que a inquietação assalta os rebeldes e o perigo espreita em cada esquina, Eragon terá de fazer escolhas que o levarão a atravessar o Império, viajando muito além. Escolhas que o poderão submeter a sacrifícios inimagináveis… Eragon é a grande esperança para libertar o reino da tirania. Conseguirá este rapaz, outrora um simples camponês, unir as forças rebeldes e assim derrotar o rei?

OPINIÃO
Acabei de ler este livro a 31 de maio de 2013 e dou-lhe quatro estrelas.
Mais uma opinião curta, talvez porque os livros da série não difiram muito uns dos outros. Basicamente, Eragon continua a sua luta junto dos Varden, ao mesmo tempo que procura mais conhecimento para ganhar a batalha final contra Galbatorix.
O que mais me agrada é que a série não se centra apenas em Eragon e tem capítulos centrados, por exemplo, em Nasuada, ou no primo dele, o Roran – assim vamos tendo perspetivas diferentes do que se vai passando.
O que menos gosto continua a ser o facto do autor acrescentar muita “palha” – o livro escrevia-se em metade das páginas e sem nada se perder se ele quisesse. Acabei por sentir muitas vezes que andava em círculos e fiquei aborrecida, mas temia que, se saltasse páginas, perdesse alguma coisa importante, afinal se o capítulo tinha sido escrito, por alguma razão seria. Conclusão: podia ter passado à frente à vontade =P
E agora, a parte que mais me aborrece: cheguei ao fim do terceiro livro a pensar que era uma trilogia e, portanto, este era o último, mas… afinal há um quarto. E pronto, lá vou eu ficar sem saber como termina a história, porque a Biblioteca Municipal de Alcácer só tem três volumes… Ai, a minha vidinha... Assim estou tramada!





BLURB
Oaths sworn...
Loyalties tested...
Forces collide.
Eragon and his dragon, Saphira, have narrowly escaped with their lives after the colossal battle against the Empire's warriors on the Burning Plains. Now Eragon finds himself bound by promises he may not be able to keep.
He must help rescue his cousin Roran's beloved from King Galbatorix's clutches. But he also owes his loyalty to the Varden, the elves and the dwarves, who are in desperate need of his talents and strength.
Eragon is the greatest hope to rid the land of tyranny. Can this once simple farm boy unite the rebel forces and defeat the king?

REVIEW
I finished reading this book on May 31st 2013 and I rate it four stars.
Another short review, perhaps because the books in the series don’t differ much from each other. Basically, Eragon continues his fight side by side with the Varden, while seeking more knowledge to win the final battle against Galbatorix.
What pleases me most is that the series does not focus only on Eragon but has chapters focusing, for example, Nasuada, or his cousin, Roran – this way, we have different perspectives on what’s going on.
My least favorite thing is still the fact that the author add much unnecessary info - the book could have been written in half the pages and nothing would be lost, if he wanted. I often felt that I was walking in circles and I was upset, but I feared that if I jumped some pages, I would lose something important, after all, the chapter had been written for some reason. Conclusion: I could have skipped those pages =P
And now, the part that annoys me: I got to the end of the third book thinking it was a trilogy, so this was the last one, but... there’s a fourth. And voilà, here I stand, not knowing how the story ends, because the Library of Alcacer has only three volumes... Oh, life ... This way, I’m doomed!



Link Goodreads

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Citação| Excerto "Perdidos"



Página 37

Aproximou-se devagar dela, de uma forma provocante e sedutora. Marina cambaleou até ficar encostada à parede e sem escapatória possível. Para garantir que ela não fugia, o rapaz colou as palmas das mãos à parede, à altura dos seus ombros, prendendo-a ali. Os seus corpos ficaram perigosamente próximos. Oh, não! Ele iria certamente aperceber-se da sua respiração entrecortada. E porquê? Porque se sentiria assim só de o ter por perto? Não lhe parecia ser boa pessoa, acreditava que era perigoso, mas o risco atraía-a com um poder irresistível.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Curiosidades Perdidos: A capa | Lost Ones Curiosities: The cover



CAPA
A capa de “Perdidos” foi feita por mim. Fiz algumas sessões fotográficas com a minha irmã para arranjar uma imagem para a capa, mas não ficaram com qualidade suficiente para serem aproveitadas. Descobri então o trabalho da Faestock no DeviantArt, pedi-lhe autorização para usar uma das suas fotos e ela deu-ma. Foi também no DeviantArt que fiquei a conhecer a Ljilja Moonchild, que me autorizou também a usar uma das suas imagens. Combinei as duas e cheguei ao resultado final, após muitas horas a tentar perceber como funciona o Photoshop. E ainda hoje não o percebo muito bem… Enfim, pode ser que corra melhor com a capa do segundo.

THE COVER

The cover of "Lost Ones" was made by me. I did some photo shoots with my sister to get a picture for the cover, but they didn’t have sufficient quality. Then I discovered the work of Faestock on DeviantArt, I asked her permission to use one of her photos and she allowed me to. It was also at DeviantArt that I got to know to Ljilja Moonchild, who also authorized me the use of her images. I combined the two images and got to the final result, after many hours trying to understand how Photoshop works. And I still do not understand it very well... Anyway, maybe things will be easier with the cover of the second book.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Passatempo "Perdidos"


Junho é um mês muito especial para mim: faço anos, o meu blogue faz anos, a cidade de onde venho faz anos... Enfim, é um mês de que gosto particularmente. Assim sendo, decidi que o passatempo de junho tem de refletir algo de pessoal - o livro como prémio será então o meu "Perdidos".

Para participarem no passatempo, há que seguir estes passos:


1) Tornar-se seguidor do Blogue (basta clicar na opção "aderir a este site" que se encontra na barra lateral esquerda sob o título "Seguidores/ Followers");
2) Responder às perguntas do formulário.

O passatempo termina à meia-noite de 30 de junho, sendo válida apenas uma participação por morada. O vencedor será selecionado aleatoriamente através da Random.Org e anunciado nos dias seguintes.

NOTA: veja aqui quem foi o vencedor.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Opinião| Review: “O Beijo Carmesim”, Lara Adrian



Título: O Beijo Carmesim
Autora: Lara Adrian
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 368
Editor: Quinta Essencência
ISBN: 9789898228529

SINOPSE
Ele chega até ela mais morto que vivo, um enorme estranho vestido de preto, crivado de balas e a perder muito sangue. Enquanto luta para salvá-lo, a médica veterinária Tess Culver não faz ideia de que o homem que se chama Dante não é totalmente humano, mas um membro da Raça, guerreiros vampiros envolvidos numa batalha desesperada.
Num momento único e carregado de erotismo, Tess é lançada no mundo dele - um lugar perigoso e sombrio onde vampiros Renegados vagueiam na noite trazendo o terror. Assombrado por visões de um futuro obscuro, Dante vive e luta como senão houvesse amanhã. Tess é uma complicação de que ele não precisa - mas agora, com os seus irmãos sob ataque, ele deve protegê-la de uma ameaça crescente, que o inclui a ele próprio. Por causa de um beijo rápido e irresistível, ela tornou-se parte do seu reino subterrâneo... E o toque dele desperta-a para dons escondidos, desejos e fomes que ela nem sonhava possuir. Ligados pelo sangue, Dante e Tess devem trabalhar juntos para acabar com os inimigos mortais, ao mesmo tempo que descobrem uma paixão que transcende os próprios limites da vida...
  
OPINIÃO
Acabei de ler este livro a 20 de maio de 2013 e dou-lhe quarto estrelas.
Esta vai ser uma opinião muito curta, até porque acho que as histórias da série não diferem muito umas das outras e acabam sempre mais ou menos da mesma forma.
O que não posso deixar de apontar, mais uma vez, é a semelhança com a escrita de J.R. Ward na Irmandade da Adaga Negra. É que até a possessividade e o emprego do termo “minha” surge quando os vampiros estabelecem a ligação com a mulher humana.
Quanto a seguir esta série, bem, a Biblioteca Municipal de Alcácer não tem mais exemplares, pelo que vou ficar por aqui… por enquanto. Agora vou voltar à série do Eragon para concluir a leitura da trilogia.




BLURB
He comes to her more dead than alive, a towering black-clad stranger riddled with bullets and rapidly losing blood. As she struggles to save him, veterinarian Tess Culver is unaware that the man calling himself Dante is no man at all, but one of the Breed, vampire warriors engaged in a desperate battle. In a single erotically charged moment Tess is plunged into his world—a shifting, shadowed place where bands of Rogue vampires stalk the night, cutting a swath of terror.
Haunted by visions of a dark future, Dante lives and fights like there is no tomorrow. Tess is a complication he does not need—but now, with his brethren under attack, he must shield Tess from a growing threat that includes Dante himself. For with one reckless, irresistible kiss, she has become an inextricable part of his underworld realm…and his touch awakens her to hidden gifts, desires, and hungers she never knew she possessed. Bonded by blood, Dante and Tess must work together to thwart deadly enemies, even as they discover a passion that transcends the boundaries of life itself…. 

REVIEW
I finished reading this book on May 20th 2013 and I rate it four stars.
This will be a very short review, because I think that the stories in the series don’t differ much from each other and they always end up more or less the same way.
What I must point out, once again, is the similarity of the writing with JR Ward and her series of the Black Dagger Brotherhood. Even the possessiveness and the use of the word "mine" arises when the vampires link with human women.
About following this series as well, the Municipal Library of Alcacer doesn’t have any other volumes, so I'll stick to these two ... for the moment. Now I’m going back to the Eragon series to finish the trilogy.

Link Goodreads


domingo, 16 de junho de 2013

Visita virtual de "Perdidos"

Quem gostaria de fazer uma visita virtual por alguns dos sítios por onde as personagens de "Perdidos" andam na cidade de Alcácer do Sal? Aqui têm essa oportunidade =D Podem ver o caminho de ida e volta de Marina para a Escola Secundária e como esta era, além de outros cenários. Espero que gostem!



video

Vídeo 1 - De casa para a escola



video

Vídeo 2 - Regresso da escola a casa



video

Vídeo 3 - Escola Secundária de Alcácer (antiga)



video

Vídeo 4 - Outros cenários que aparecem na história


sexta-feira, 14 de junho de 2013

Excerto| Citação "Perdidos"



Página 14

Lucas movia-se com lentidão por entre terra árida e vermelha, e vestia apenas umas calças de ganga presas por um cinto. O tronco nu e musculado era bafejado por um vento escaldante que lhe queimava a pele. Aparentando sentir-se cansado, sentou-se sobre umas rochas e ali se deixou ficar, fixando o vazio. Como não conseguia ver bem a cara de Lucas, Marina - que no sonho vestia apenas uma túnica branca feita de um tecido que dançava ao sabor da aragem quente - aproximou-se dele. Mal o rapaz levantou a vista do chão e o seu olhar encontrou o dela, Marina sentiu uma súbita falta de ar. Agarrou-se ao pescoço, implorando que o oxigénio voltasse. Com uma ânsia crescente, caiu de joelhos na terra estéril e estendeu o braço a Lucas, para que a ajudasse. Com calma, ele baixou o corpo na sua direção apenas para sussurrar-lhe ao ouvido: “Não fazes ideia do que te fazem aqui”.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Curiosidades Perdidos: Porque escrevi o livro | Lost Ones Curiosities: Why I wrote the book





PORQUE ESCREVI PERDIDOS
No final de 2010, fiquei desempregada. Com mais tempo livre (embora forçado), resolvi aproveitar para voltar a ler, que é algo de que gosto bastante. Um dos livros que li então foi “Hush, Hush”, da Becca Fitzpatrick. Gostei tanto da história que pensei “mas porque é que não escrevo algo do género, se é disto que gosto?”. E foi o que fiz. Mas como não queria usar os conceitos paranormais “da moda”, efetuei alguma pesquisa até chegar aos Perdidos. O que são? Leiam o livro ;-)

WHY I WROTE LOST ONES

In late 2010, I was unemployed. With more free time (although forced), I decided to return to reading, which is something I quite like. One of the books I read then was "Hush, Hush", by Becca Fitzpatrick. I liked the story so much that I thought "why not writing something like this, if that’s what I like?" And so I did. But as I didn’t want to use the paranormal concepts "in fashion", I did some research to get to the Lost Ones. What are they? Read the book ;-)

terça-feira, 11 de junho de 2013

Opinião: “Eldest”, Chistopher Paolini



Título: Eldest
Autora: Chistopher Paolini
Edição/reimpressão: 2005
Páginas: 788
Editor: Gailivro – 1001 Mundos
ISBN: 9895575521 


SINOPSE
Cai a escuridão... impera o desespero... reina o mal...
Eragon e o seu dragão, Saphira, acabam de salvar o estado rebelde da destruição pelas forças poderosas do Rei Galbotorix, cruel governante do Império. Eragon deverá rumar agora a Ellesmera, terra dos Elfos, onde treinará ainda mais os seus poderes de Cavaleiro do Dragão: a magia e a destreza no manejo da espada.
Muito em breve estará a caminho, na viagem da sua vida: os seus olhos abrem-se a novos lugares e a personagens terríveis, os seus dias enchem-se de novas aventuras. Mas o caos e a traição espreitam a cada esquina, e nada é o que parece ser. Não tarda, Eragon deixa de saber em quem confiar.
Entretanto, o seu primo Roran terá que travar uma nova batalha – uma batalha que colocará Eragon num perigo maior. Será a mão obscura do rei capaz de estrangular toda a resistência? Eragon poderá não escapar com vida…

OPINIÃO
Acabei de ler este livro a 14 de maio e dou-lhe quatro estrelas.
Gostei tanto deste como do primeiro volume, mas continuo a ter a mesma opinião: contém demasiados dados desnecessários que podiam ter sido evitados, não só porque em nada contribuem para a história, mas também porque assim se encurtava o tamanho do livro. Não é que tenha alguma coisa contra o número de páginas (até o meu tem 350!), mas uma coisa é ser algo necessário e outra é “encher chouriços”.
Passando das críticas menos boas às melhores, passei o tempo todo a ansiar pelo reencontro de Eragon com Roran e que o Roran descobrisse no que o primo se tornou. Não aconteceu bem como esperava, mas pronto. Quanto ao Murtagh, foi um choque a descoberta e gostava que acabasse tudo em bem, mas todas as histórias têm uma reviravolta – esta foi uma delas; quem sabe ser não haverá outra?
Continuo a achar a história bastante cativante, pelo que tenciono concluir a leitura da trilogia em breve; apenas tenho de ler outro livro pelo meio, porque é bastante requisitado na biblioteca municipal e está em lista de espera para outras pessoas.




BLURB
Darkness falls ...Despair abounds ...Evil reigns ...Eragon and his dragon, Saphira, have just saved the rebel state from destruction by the mighty forces of King Galbatorix, cruel ruler of the Empire. Now Eragon must travel to Ellesmera, land of the elves, for further training in magic and swordsmanship, the vital skills of the Dragon Rider. 
It is the journey of a lifetime, filled with awe-inspiring new places and people, each day a fresh adventure. But chaos and betrayal plague him at every turn, and Eragon isn't sure whom he can trust. Meanwhile, his cousin Roran must fight a new battle back home in Carvahall - one that puts Eragon in even graver danger. Will the king's dark hand strangle all resistance? Eragon may not escape with even his life .
A wonderful fantasy book

REVIEW
I finished reading this book on May 14th and I rate it four stars.
I liked it so much as the first volume, but I still have the same opinion: it contains too many unnecessary data that could have been avoided, not only because they contribute nothing to the story, but also because it would shorten the size of the book. Not that I have anything against the number of pages (even mine has 350 pages), but one thing is that it is necessary and another thing is stalling.
From the critics less good to the best ones, I spent all the time yearning for reunion of Eragon and Roran, and that Roran discovered in what his cousin had become. It did not happen as well as expected, but that’s okay. As for Murtagh, it was a shocking discovery and I wish it to end all well, but all stories have a twist - this was one of them, maybe there will be another?
I still find the story quite captivating, so I intend to finish reading the trilogy soon. I just have to read another book by the middle, because it is quite ordered at the municipal library and is on the waiting list for others.



domingo, 9 de junho de 2013

Opinião da Mónica


A Mónica Silva, administradora do blogue "A Thousand Lives", leu o meu "Perdidos" e publicou no passado dia 7 de junho a sua opinião no seu blogue. Agradeço-lhe a mesma e o tempo que despendeu a ler o meu livro =D Aqui transcrevo o que ela disse:


«Opinião:
Este é um início promissor para uma trilogia de romance sobrenatural assente em território português, com uma estória facilmente reconhecível mas pautada por detalhes originais. Sem dúvida uma leitura confortável para os fãs do género, na qual acompanhamos os dramas da juventude com um toque de sobrenatural.
A protagonista, Marina, é uma personagem sólida, com características que aprecio grandemente: determinação, independência, coragem. No entanto, esta personalidade que me entusiasmou no início acaba por se diluir ao longo do livro, no modo como se rende totalmente a um rapaz que mal conhece, Lucas. Na verdade, durante grande parte do livro Marina contradiz-se constantemente: tanto afirma que não acredita no amor à primeira vista, apresentando argumentos lógicos e racionais, principalmente quando se refere a Joshua, apenas para depois ficar obcecada com Lucas, com quem apenas trocou algumas palavras. Este comportamento pareceu-me algo bizarro, desajustado para esta personagem, o que restringiu a sua evolução.
A sua relação com Joshua é também pouco realista e deixou-me um pouco incomodada. Não gostei da maneira como Marina dá constantemente falsas esperanças a Joshua, deixando arrastar uma situação que apenas acabará por magoá-lo. A meu ver, a sua personalidade não se coaduna com este tipo de atitude e um pouco de honestidade teria sido melhor. Joshua, por sua vez, pareceu-me uma personagem demasiado unidimensional. Demasiado perfeito, quer no aspeto, quer na personalidade, do qual pouco sabemos e cujo desenvolvimento em termos de carácter é praticamente inexistente ao longo da estória.
Em contrapartida, o outro vértice deste triângulo-amoroso, Lucas, representa muito bem o lado negro da trama. A sua importância na estória é gradual, o que potencia o suspense em relação à sua identidade sobrenatural. Apreciei bastante a inovação neste âmbito, pois a autora introduz alguns conceitos originais e, assim, produz uma mitologia interessante.
Quanto aos personagens secundários, poderiam ser mais desenvolvidos, em particular Ana. Esta tem um grande potencial para ter mais relevância no enredo, principalmente no ambiente humorístico que adiciona. Em relação aos restantes, há um pequeno pormenor que me deixou um pouco perturbada: os professores naquela escola parecem todos horríveis! É que não há um único docente compreensivo, responsável ou minimamente humano! Pareceu-me que os seus comportamentos são exagerados e pouco credíveis, e não gostei particularmente do papel de vítima que Marina adquire face a estes professores.
A narrativa é fluída, por vezes carecendo de alguma ação para dinamizar a estória, mas essencialmente muito acessível. A linguagem é apropriada para o público-alvo, com diálogos realistas para jovens e, ao mesmo tempo, sem ser demasiado infantil.
O aspeto que me fascinou foi a utilização de Alcácer do Sal como palco para todos os acontecimentos. Esta terra é fabulosamente descrita e proporcionou-me uma grande vontade de a visitar no futuro.
Infelizmente, o final acabou por me desiludir. A autora tomou o rumo mais previsível e pouco estimulante. Não deixou pontas soltas e, simultaneamente, deixou-me curiosa em relação ao rumo que a estória tomará no próximo volume. Gostaria que a autora não se refreasse de adicionar elementos mais dark e alguns twists à fórmula tradicional que utiliza.
Apesar de todas estas arestas por limar, a experiência global foi positiva. Uma leitura fácil e agradável, que merecia divergir um pouco do esquema tradicional em que se enquadra mas que, no fundo, recomendo sem reservas a quem aprecia o género.»

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Citação| Excerto "Perdidos"



Página 13

Naqueles milésimos de segundo em que parecia suspensa no ar, olhou para o céu e viu-o. Estaria a sonhar? Seria ele a sua última visão nesta vida? Porquê ele e não alguém importante, como a sua mãe? (…) A efémera sensação de flutuar deu lugar quase de imediato à falta de fôlego e à aflição da queda, que terminou num mergulho destrambelhado na água gelada. Enquanto o seu corpo teimava em descer até ao fundo do rio, não respondendo a nenhuma das suas ordens, Marina resolveu deixar-se ir. Era assim o seu fim, era assim que morria. Mais nada. Já estava.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Opinião da Isabel

A Isabel Maia, administradora do blogue "Na Companhia dos Livros", leu o meu "Perdidos" e publicou no passado dia 3 de junho a sua opinião no seu blogue. Agradeço-lhe a mesma e o tempo que despendeu a ler o meu livro =D Aqui transcrevo o que ela disse:


PERDIDOS

Rute CanhotoNa ribeirinha cidade de Alcácer do Sal, tudo corre na mais perfeita tranquilidade. Marina é uma insuspeita adolescente, com objectivos traçados e um feitio que a mantém à margem de qualquer mudança de planos. Com o inicio de mais um ano lectivo, a rotina de aulas, momentos de tagarelice com a amiga Ana e muito estudo muda rapidamente de curso. Primeiro, Marina sofre vários acidentes inexplicáveis num curto espaço de tempo. Depois chegam duas caras novas à escola: Lucas, um jovem misterioso e de temperamento despreocupado; e Joshua, filho de pais portugueses que se mudaram recentemente dos Estados Unidos da América. No espaço de poucos meses, Marina percebe que aquilo que lê nos livros ou vê nos filmes pode ser verdade e pode estar bem debaixo no nosso nariz.
* ATENÇÃO: Pode conter spoilers *
Antes de mais nada quero agradecer à Rute Canhoto o facto de ter cedido cópias do seu livro aos bloggers, categoria onde me incluo. Apesar de não ser grande adepta de livros mais ligados ao Fantástico, não custa nada experimentar. Nunca se sabe se a experiência se transforma em algo positivo. Apesar de a Rute assumir claramente que a sua inspiração foi uma série de livros já existente, não me senti de modo algum condicionada já que nunca li a referida série. O discurso é fácil de acompanhar, o vocabulário usado é simples e a linha temporal da acção segue um percurso coerente. As personagens têm uma boa construção, apesar de terem algumas falhas que irei apontar mais à frente. Os elementos místicos do livro estão bem explicados, não deixando pontas soltas que possam resultar em incongruências. As descrições também estão bem construídas, senti-me por momentos a passear pelas ruas de Alcácer do Sal. No entanto, existem falhas que gostaria de ressalvar. Marina perde muitas vezes a credibilidade ao mudar repentinamente de personalidade. Se num dia é a menina atinada e pudica, no seguinte já anda mais desvairada que uma pré-adolescente com o Justin Bieber na frente dela e bastante saída da casca, com direito a semi-striptease e tudo. A passividade do pai de Marina consegue irritar qualquer mortal até à ponta dos cabelos. Existem repetições que ao fim de algumas páginas começam a causar urticária, como são os casos da repetição até à exaustão das palavras “pedagogo/a” e “docente” ou do tratamento carinhoso de “amor” e “bebé” entre Marina e Ana. Falando do final, achei que a Rute seguiu o caminho mais previsível mas ao mesmo tempo deixou a porta aberta para suposições dos leitores no sentido de estes se ficarem a questionar quem serão as figuras de destaque do próximo volume da trilogia. Para resumir, é um bom livro de Fantasia mas que tem ainda bastantes arestas para limar.
Classificação: 3/5
«Sei que era novo e que gostava de ter continuado a desfrutar dos prazeres da vida. Tinha planos, muitos planos. Essa sensação acompanha-me sempre, embora tais planos se tenham varrido da minha mente. Talvez fossem as coisas habituais que qualquer pessoa quer: uma carreira, uma família, uma vida feliz. Mas tudo ficou para trás quando morri.»

terça-feira, 4 de junho de 2013

Curiosidades Perdidos | Lost Ones Curiosities


Ao longo dos próximos meses (sim, meses, porque já estive a agendar alguns posts e dão até novembro...), uma vez por semana irei publicar uma curiosidade relacionada com o meu livro "Perdidos". O primeiro post fica online já esta quinta-feira, dia 6. Espero que gostem e que vos ajude a elucidar algumas dúvidas que tenham. 


Over the next few months (yes, months, because I've been scheduling some posts and they will last until November...), once a week, I will publish a curiosity related to my book "Lost Ones." The first post iwill be online Thursday, 6th June. I hope you enjoy it and that it helps you to clarify some questions you may have.